Abertura Oficial da Colheita do Amendoim

Evento reúne técnicos e representantes políticos no principal momento da safra

A Abertura Oficial da Colheita do Amendoim foi uma iniciativa do Sindicato Rural de Jaboticabal e Coplana – Cooperativa Agroindustrial. O evento foi transmitido on-line, direto de Jaboticabal, a Capital do Amendoim, e teve como convidados o deputado federal Arnaldo Jardim, o deputado estadual Ricardo Mellão, o prefeito de Jaboticabal, Emerson Camargo, e o presidente da Câmara Setorial do Amendoim, Luiz Antonio Vizeu.

Na abertura, o presidente do Sindicato Rural, Sérgio de Souza Nakagi, cumprimentou os produtores em clima de comemoração. “Que os produtores tenham uma excelente colheita. Apesar das dificuldades, como sempre, o produtor nunca perde a esperança. Que os senhores tenham a umidade no momento da inversão deste amendoim, tenham sol que seque de acordo e que as máquinas trabalhem com bom desempenho, sem quebras”, destacou Nakagi.

Bruno Rangel Geraldo Martins, presidente da Coplana, lembrou que o amendoim contribuiu para o desenvolvimento das cidades da região. “Enxergamos como uma cultura rentável, com um futuro muito promissor.” Ele também falou da necessidade de mais pesquisas. “Precisamos de mais estudos em relação a variedades resistentes ao estresse hídrico. É hora da cadeia de produção do amendoim começar a contribuir com este desenvolvimento”, afirmou. Ele destacou ainda o trabalho da Cooperativa na cidade. “Jaboticabal é onde temos nossos maiores investimentos e onde projetamos os maiores investimentos. Temos certeza [referindo-se ao Governo Municipal], de que nossa parceria será muito saudável e duradoura” afirmou Bruno Rangel.

Em sua fala, o prefeito Emerson Camargo confirmou apoio ao setor. “Estamos inclinados mil por cento para que a produtividade do agronegócio, em Jaboticabal, cresça cada vez mais. Quero parabenizar todos os produtores de amendoim da nossa cidade. Nosso governo é totalmente inclinado ao crescimento do agronegócio e do setor do amendoim. Jaboticabal é a Capital do Amendoim justamente pelo trabalho árduo que os nossos agricultores realizam”, afirmou o prefeito.

O deputado estadual Ricardo Mellão destacou a importância do amendoim em todo o Estado de São Paulo e falou do papel do evento. “São eventos como este, da Abertura Oficial da Colheita do Amendoim, em que os produtores podem encontrar informações importantíssimas para que continuem sendo cada vez mais produtivos, para gerar renda, emprego e desenvolvimento no Estado. Quanto mais informações tivermos, mais competitivos. É assim que fazemos do nosso setor rural um setor de primeiro mundo”, afirmou Mellão.

O deputado federal Arnaldo Jardim lembrou que, recentemente, com o apoio dos deputados do Estado de São Paulo, conseguiu verbas para o setor. “Precisamos revitalizar nossos institutos de pesquisa, como você [Bruno Rangel] disse. Repassamos R$ 21 milhões a unidades da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) para fortalecer a pesquisa. Precisamos de parcerias com o setor produtivo. Portanto, Bruno, parabéns por este compromisso”, afirmou Jardim. Ele também referiu-se à discussão sobre o uso de novos defensivos. “Quando falamos em atualizar o marco dos defensivos é no sentido de ter moléculas com maior aplicabilidade, mais modernas, eficazes e menos impactantes para o meio ambiente. Nunca pedimos que relaxassem os cuidados”, comentou o deputado federal.

Luiz Antonio Vizeu, presidente da Câmara Setorial do Amendoim, falou das exportações. Passou dados ainda não divulgados, apurados pela Câmara. “As exportações de amendoim em grãos (casca, descascado e preparado/torrado) no ano passado alcançaram 264 mil toneladas. Há, desde 2013, um crescimento bastante significativo, resultado de muito investimento do setor privado, trabalho do setor público com as pesquisas, principalmente do IAC (Instituto Agronômico), e também da Unesp (Universidade Estadual Paulista) e da Embrapa.  Reflete, claro, muito trabalho, suor e responsabilidade do produtor de amendoim. Traduzindo em dólares, também houve recorde de US$ 328,8 milhões.

Debate Técnico

O vice-presidente da Coplana, José Antonio de Souza Rossato Junior, foi o mediador do debate técnico. Ele destacou os objetivos da iniciativa. “Este evento celebra uma etapa importante que é a colheita: momento de colher os frutos da dedicação do produtor e de toda equipe da Cooperativa. Reunimos autoridades e técnicos para a valorização da cadeia produtiva do amendoim, bem como a difusão do conhecimento na operação de colheita e perspectivas de mercado”, afirmou. Rossato também agradeceu os convidados, produtores,  parceiros e colaboradores. Participaram da mesa redonda:  Valdeci Malta, gerente de Originação da Unidade de Grãos da Coplana; Eduardo Pacífico, gerente da Regional de Jaboticabal; Guilherme Uitdewilligen, gerente de Projetos Sementes; e Robson Fonseca, gerente de Comércio Exterior.

Valdeci Malta: situação das lavouras

“Tivemos uma janela de plantio tardia, pois as chuvas vieram um pouco depois para a semeadura. Também tivemos má distribuição das chuvas nos últimos dias. Com certeza, é um ponto de alerta de uma possível diminuição da produtividade. O que pode fazer maior ou menor diferença é a distribuição das chuvas de agora em diante, nos próximos três meses, até o final da safra. Cerca de 60% das lavouras estão entre ótimas e boas condições; 30% em condições regulares e 10% em condições mais críticas.”

Eduardo Pacífico: tratos culturais

“A gente tem um plantio mais tardio e, com isso, as lavouras estão em uma fase crucial de enchimento de grãos, formação de vagens. Mas, há células de produção com um regime de chuva adequado. Isso dá uma certa tranquilidade até agora em relação à produção. Para manter a lavoura sadia até o final, são necessários os tratos culturais, principalmente em relação a fungicidas. Com boa massa foliar, não se corre o risco de perder vagem no arranquio.”

Guilherme Uitdewilligen: qualidade da Semente

“Comprar uma semente de boa qualidade é extremamente importante para o sucesso da lavoura. Para diluir o risco, a Coplana planta em diversos núcleos de produção. Fazemos testes de qualidade em todo o processo produtivo, e algumas lavouras são descartadas. Há um acompanhamento também por caminhão que chega à Unidade, quando são feitos testes que mostram a viabilidade da semente. A semente tem que ter boa classificação, pureza genética, qualidade fisiológica, germinação e vigor. A lavoura bem estabelecida, com uma população adequada aumenta a probabilidade de uma boa produtividade.”

Robson Fonseca: cenário na Argentina

“Na Argentina, o plantio também atrasou. As chuvas chegaram somente no final de outubro e começo de novembro. Porém, lá, eles têm bastante máquinas. As áreas são bastante grandes. O desenvolvimento do plantio é bem rápido, assim como a inversão do amendoim. Á área está quase 10% maior. Ano passado, plantaram em torno de 350 mil hectares e, nesta safra, 385 mil hectares. O desenvolvimento tem sido razoável ou bom. Chuvas abaixo da média e sem uma distribuição geral. Cerca de 70% das lavouras estão em boas condições.  O ciclo é mais lento, devido ao clima temperado.”

 

Acesse o link e assista ao vídeo:
http://bit.ly/colheitaamendoim

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nome*

Email

Website